RASGANDO A FANTASIA

Este GENSOV não é sem rumo não; é sem noção mesmo. A gente aqui falando de reino de ficção e o pau quebrando na nossa cara. A proposta do GENSOV do B é realista, pé no chão. Vamos ver a realidade. Triste realidade.

*A candidata da situação diz que não tem nada a ver com a situação. Nem conhece o reitor. E boa parte da comunidade acredita. Ou faz que acredita. Oh saudade do Agoravaiqistão!

*Campus Lagarto, outrora tão aguerrido, mil processos contra o reitor, mil PAD’s contra a turma, processo no ex-diretor e aí … fechados com o reitor! Coitada da comunidade. Nem opção para diretor geral …

*O candidato a reitor que não é situação nem oposição, que diz que a ética fala mais alto se utiliza de núcleo de pesquisa para se lançar … Opa! O núcleo de pesquisa parece que não tem registro? Parece que não existe? E nós pensando que o Agoravaiqistão era ficção…

*E a pesquisa malandra? Fizeram uma pesquisa de opinião, não passaram pelo Comitê de Ética (o que é isso?), não disseram pra os entrevistados os objetivos. Agora sabemos os objetivos: compor proposta de gestão(eleitoreira, claro). Ética no serviço público. Quá, quá, quá!

* E o outro se aproveitando do sindicato, hein? Fazendo defesa do trabalhador, botando o sindicato na linha, limpando o sindicato de pelegos, representando servidor no Conselho Superior, hein? E tudo isso enfrentando eleições … ah, seu safadinho!

* Por que não fez como os outros? Era só puxar o saco do reitor e cavar uma vaguinha para se habilitar! Ou era só inventar um grupo qualquer de auto ajuda, falar que era ciência e, pronto! Podia ser um candidato palatável. Quanta incompetência!

* Mas não, tem que se eleger coordenador de sindicato, se eleger representante de Conselho, eleição, eleição, eleição! É por isso que dizem que não serve pra reitor. Só pensa em democracia! Reitor é pra impor respeito, distribuir PAD pra servidor, nomear e desnomear de acordo com o que der na telha. Se prestasse atenção no Agoravaiqistão veria que o rei é que tem a majestade. O resto é o resto!

*Como naquela foto da turma da candidata do reitor. Tiraram a foto cheia de beneficiados com FG, CD e bolsa. Tudo bem, mas apareceu, no fundo, alguém fazendo o sinal de negativo. Ou seja, o povo que está fora das benesses não gosta nada da gestão.

*Como resolver esta situação? Ora, se o povo não está satisfeito, corta-se o povo. Foi o que fizeram: cortaram a fotografia. Não dá em nada, mas é engraçado ver o constrangimento.

* E as candidaturas à direção geral do Campus Aracaju? Um candidato que desistiu da turma, outro candidato que, de repente, entrou pra turma, e uma candidata que, apesar de ser diz que não é e que não quer ser. Tá difícil, viu!

*Em São Cristóvão, dá dó dos apoiadores do candidato do reitor. E dá dó do candidato também.

*Será que Glória retribui ao reitor tudo que ele fez o Campus sofrer? O sertanejo é, antes de tudo, um forte, já disse Euclides da Cunha.

* E Itabaiana, continuará com o rei de sempre? Ou teremos surpresa?

No geral, será que teremos que retornar ao Agoravaiqistão para percebermos o quanto a nossa realidade é surreal?

Esperamos, no próximo post, ter mais motivos para se pensar positivo. Neste não deu.

COMUNICADO (de novo?!)

A quem interessar possa, comunicamos que:

1-Este blog sofre, apartir de agora, um novo processo de intervenção. Desde o golpe de 2016, tá na moda.

2-Foi verificado que o golpe dado neste blog anteriormente não atendeu aos objetivos inicialmente traçados. Houve quem reclamasse que estava muito parecido com a realidade.

3- Não aceitamos mais o comando do GNSOV. Este grupo está superado. Hoje podemos considerá-lo como conservador e anacrônico. Pior que o reitor que, graças a Deus, está saindo.

4- Acreditamos que aquele grupo estava a serviço de forças ocultas. Além de também estar servindo aos patrões burgueses.

5- Não é possível que, acontecendo eleições no IFS, este blog só fique falando de Agoravaiqistão.

6- Tudo bem, que se fale sobre cultura, literatura e turismo, mas que se fale, principalmente, de política. Tanta safadeza por aí e a gente nada?

7- Vamos analisar a questão das eleições do IFS, afinal, fazer valer o nome do blog. E não adianta chorar, chamar mamãe ou espernear.

8- Doa a quem doer. “Doela a quem doela”, como dizia o filósofo Fernando Collor.

9- Afinal, somos machos ou sacos de batatas?

10- Somos, então, uma dissidência do GNSOV. Somos, com muito orgulho, o Grupo que Não Sabe pra Onde Vai do Brasil – GNSOV do B.

E tamos conversados!

CONHECENDO O INIMIGO, MAS NEM TANTO – CUIDADOS

Enfim, retornamos à nossa narrativa sobre o interessante e curioso reino do Agoravaiqistão. Este reino que, se este blog fosse melhor, mais divulgado e não sofresse tanta injustiça no mundo, seria mais estudado, até mais frequentado, poderia trazer para nós importantes ensinamentos na arte (da traição), na cultura (do ócio), na política (que na verdade, lá, é politicagem). Mas, enquanto não tiver uma reportagem da Globo, continuará sendo um reino praticamente desconhecido do nosso país. Um reino que talvez nem exista, pois tem muita gente que acredita que, se não aparecer na Globo, não existe e o que aparece na Globo, é verdadeiro. Quanta inocência!

Mas vamos nós retornar à velha narrativa de ficção (nunca se esqueçam disto)sobre as eleições para rei lá do Agoravaiqistão. Ficamos de fazer uma apresentação mais analítica do candidato das oposições e é o que vamos fazer hoje, agora.

Mas antes de adentrarmos especificamente neste tema, queremos dar outras notícias preocupantes sobre o processo eleitoral (do Agoravaiqistão, é lógico). Os Tribunais Eleitorais já foram devidamente constituídos e já estabeleceram as regras das eleições. Este conjunto de regras regula todo o processo: inscrições dos candidatos, habilitação dos eleitores, divulgação e propaganda, coleta dos votos, apuração, homologação, enfim, todo o processo de escolha do novo rei. É lógico que dentre estas regras existe a principal, que não está escrita mas que é seguida à risca, e que diz que as vontades do rei são sagradas e não podem ser desobedecidas e nem contestadas(se não fosse assim, ele não seria rei, né? Assim, ele determina o que pode e o que não pode ser divulgado, por exemplo. Se ele, às vésperas da eleição, resolve publicar um livro contendo suas realizações (inclusive com forte presença da sua bruxa candidata) mesmo não sendo ele alfabetizado para tanto, não tem problema, era da vontade dele. e, assim aquela regra que não está escrita no conjunto das regras da eleição, mas é a principal, prevalece.

Outras notícias do reino do Agoravaiqistão que não são muito importantes, mas que damos algum destaque, dizem respeito mais às movimentações das candidaturas para rei e os diversos condados. Dizemos que estas notícias não são muito importantes porque são corriqueiras e esperadas para este período. São basicamente, traições: candidato que trocou seu rei por outra coisa qualquer, candidato que negou sua origem negando conhecer quem trocou suas fraldas; isto, além daqueles casos de conversão de republicanos em monarquistas. Ou seja, Judas fez escola. O que mudou mesmo foi o preço: aqueles trinta dinheiros para a entrega de Jesus, com a inflação que temos hoje, já passaram para 700, dois,três mil, e olha que não estamos falando de personagens tão importantes quanto o Cristo. Mas tem também, justiça seja feita, aqueles que traem por nada, ou quase nada, um cargozinho no palácio ou numa sede de condado, alguma proteção a parente, ou mesmo, por vício. No Agoravaiqistão tem gente que trai porque está na sua índole, no DNA, são os que chamamos aqui no Brasil de (linguagem chula) “baba ovo”.

Estas são as notícias mais recentes do reino do Agoravaiqistão. Como podemos ver, estas notícias não são nada interessantes, e por dois motivos; primeiro porque aqui no Brasil não existe esta coisa nojenta da traição, e em segundo lugar, porque lá no Agoravaiqistão isto é muito corriqueiro, nem entra na conta, é coisica de nada mesmo, coisa muito desprezível. É como a gente diz aqui no Brasil: coisa de gente safada.

Deixemos, então esta safadeza dos agoravaiqistaneses e continuemos com o que interessa um pouquinho mais. Ficamos de fazer uma análise mais detida e profunda, além de bem fundamentada (pois não é possível que, em pleno Século XXI, permaneçamos com comportamentos meramente empíricos, baseados apenas no senso comum e sem levar em conta os valores éticos da ciência) do candidato das oposições nas eleições para rei no reino do Agoravaiqistão.

E é o que vamos fazer  com todo o cuidado, rigor científico e peito aberto, no próximo post.

E não se esqueça de que esta narrativa é de ficção, isto é, não tem nada a ver com a realidade, é “isenta de verdade”, parafraseando o Jornal Sensacionalista. Até lá